Delegacia de Polícia de Defesa da Mulher – Mogi-Guaçu

Nova Pesquisa

Objetivos: promover a justiça, proteger e fazer valer os direitos da mulher, criança ou adolescente vitimas de violência doméstica e/ou sexual.

Atividades desenvolvidas: elabora Boletins de Ocorrência e Termos Circunstanciados, intima, investiga e colhe depoimentos no bojo de Inquéritos Policiais, bem como solicita medidas protetivas de urgência para o Poder Judiciário. Nas ocorrências não criminais, fornece orientação jurídica e encaminha para os centros de referência da mulher e para a defensoria pública.

Como é o atendimento: acolhimento, orientação, registro de ocorrências e instauração de inquéritos policiais, além de encaminhamentos para abrigos, centros de referência da mulher e defensoria pública.

Condições para o atendimento: mulheres de todas as idades, crianças e adolescentes de ambos os sexos, vitimas de violência doméstica ou sexual.

Equipe do Plantão: delegada, escrivãs e investigadoras de polícia.

Período de atendimento: das 9 às 18 horas, de segunda à sexta-feira (dias úteis).

Dados para contato:
Avenida Nove de Abril, 917, Centro
CEP: 13840-056 Mogi-Guaçu – SP
Telefone: (19) 3891 31 31 e (19) 3831 73 44
Fax: (19) 3891 31 31

3 thoughts on “Delegacia de Polícia de Defesa da Mulher – Mogi-Guaçu

  1. Gostaria através deste, de parabenizar o trabalho desenvolvido por aqueles que comandam esta delegacia! Agora a tarde, fui até o local fazer um relatório de estágio, e fui super bem atendido… Precisamos defender as mulheres não apenas do Guaçu, mas de todo Brasil da agressão dos covardes “machões” que na maioria das vezes, ou quase sempre se acham donos das mulheres como se estas fossem apenas um objeto de sua propriedade. O Brasil, teve um avanço notório nesta proteção, ao longo destes últimos anos, mas precisamos avançar mais, precisamos combater com políticas públicas, e se preciso com o uso da força policial, para evitar que as mulheres sejam torturadas e massacradas em cada recanto deste imenso país.

  2. Quando aconteceu o fato eu procurei a DDM, mas tive informações muito vagas e pouca ajuda. Ainda preciso de ajuda, eu quero ter a minha filha de volta, pois está na casa da minha mãe que não quer me devolver. Em 18/01/2013, flagrei o meu avô com as causas até o joelho e minha filha com a mão em seu pênis. Não me contive e o esmurrei. Minha mãe ouviu o tumulto e quando esclareci os fatos e cobrei providências delas, ela me disse que não podia fazer nada porque o dinheiro da aposentadoria dele é que ajudava nas contas, e disse que a única coisa a ser feita era ela cuidar dele e eu da minha filha. Mudei meu horário de trabalho pra cuidar da minha filha e ela começou a ficar mais de olho. Mas ai isso mexeu com meu psicológico e eu fiquei desnorteada, cada dia mais nervosa, mais desconfiada, mais estressada. Fiquei totalmente descontrolada. Num determinado dia depois disso tudo, acabei por agredir o meu outro filho. Fui afastada deles e perdi a guarda do meu filho para a minha sogra. Ainda não me conformo totalmente com isso, mas quero reaver minha filha, pois estou estabilizada na vida, tenho carteira registrada, estou mais consciente e não quero deixar minha filha na mesma casa da minha mãe e meu avô. Não sei se ele ainda continua abusando da minha filha, mas ele já fez isso várias vezes e, por medo e falta de orientação, não fiz nada além de xingá-lo e brigar com ele. Agora o conselho tutelar está me orientando e pediu pra eu fazer a denúncia para reaver a minha filha e eles poderem me ajudar.

    • Prezada usuária, as delegacias não acolhem denúncias por meio eletrônico. Há necessidade de procurar a unidade mais próxima para orientações e para efetivar a denúncia, como o conselho tutelar deve ter lhe orientado. Também é possível buscar orientações jurídicas por telefone junto à Casa Sofia (0800 7703053). Abraço.

Deixe sua opinião ou comentário sobre o atendimento

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Pryzant Design